Comitê da Bacia do Rio Lençóis quer trabalho conjunto entre as Defesas Civis

Em reunião realizada no dia 13 de novembro entre o CGBH-RL e os representantes das Defesas Civis de Agudos e Lençóis, o Conselho Técnico do Comitê sugeriu a adoção do PPMCA (Procedimento Padrão de Monitoramento Climático e Ambiental) da bacia hidrográfica do Rio Lençóis já a partir de dezembro desse ano. A reunião aconteceu na sala de reuniões da Prefeitura e teve a participação inicial do prefeito e presidente do Comitê, Anderson Prado e do presidente da Defesa Civil de Lençóis Paulista, capitão Juliano Xavier e do presidente da Defesa Civil de Agudos, Osmar Jandreice.

Nota técnica enviada pelo Comitê Técnico explica que o PPMCA é um procedimento técnico que será empregado pela primeira vez no interior paulista para trabalhar a contenção e transposição de volumes em microbacias hidrográficas durante o próximo período crítico de chuvas, na tentativa de amenizar possíveis sinistros de inundações.
Os objetivos dos procedimentos estão fundamentados em conter determinados volumes de água antes que eles cheguem ao corpo receptor principal na tentativa evitando estrangulamentos em pontos críticos do Rio Lençóis. A nota informa ainda que espera-se operar um volume equivalente de 4 bilhões de litros de água por ciclo de chuva, em sete grandes reservatórios localizados nas principais microbacias hidrográficas entre os municípios de Lençóis Paulista e Borebi.
A principal meta do procedimento técnico é evitar ou reduzir os riscos de rompimentos desses barramentos (represas) em situações de chuvas intensas e, possibilitar que o rio Lençóis, receptor dessas microbacias, possa escoar essa água de forma mais livre e gradativa.
Em dezembro de 2016, ainda sob orientação de uma Comissão Provisória, os técnicos do CGBH-RL deliberaram sobre o rebaixamento de dois grandes reservatórios para os procedimentos de contenção e transposição de volumes, operado em janeiro de 2017. Nessa oportunidade, conseguiu-se uma logística hídrica equivalente de 600 milhões de litros por ciclo de chuva.
Para elaborar o Procedimento Padrão, os membros do Conselho Técnico do CGBH-RL analisaram a situação de cada reservatório instalado em cinco microbacias hidrográficas do rio Lençóis, verificando a existência de dispositivos de segurança instalados e a capacidade de reservação hídrica de cada um.
O Procedimento considerado de médio risco deverá ser executado em um trabalho conjunto entre os órgãos de Defesa Civil de Agudos e Lençóis Paulista, durante o período crítico de janeiro. Por ser um procedimento arriscado, foi conversado e posteriormente será oficializado com a Promotoria de Justiça do Meio Ambiente de Lençóis Paulista sobre os potenciais riscos da operação, considerando que em 2018 existe uma predição técnica de ocorrer aumento de 25% nos índices pluviométricos de janeiro na bacia do rio Lençóis.
O Procedimento Padrão entra em vigor após ser aprovado pela Plenária que será presidida pelo prefeito de Lençóis Paulista e Presidente do CGBH-RL, Anderson Prado.