Grandes talentos

Lençóis Paulista sempre foi uma cidade rica em talentos. Independentemente da área de atuação, sempre houve alguém que se destacasse. No esporte, tivemos grandes nomes como Maria Angelina Boso, Miguel de Oliveira,  e tantos outros (ver página de esportes neste site) que seria impossível relacionar aqui. Na arte cênica, tivemos grandes talentos no passado e hoje contamos com o desempenho espetacular de Nilceu Bernardo, Leda Fernandes, e outros. Na música, a riqueza de Lençóis é incalculável. Quem não se lembra de Zeca Rossi, Lála Cavassutti, João Giovanetti, Toninho Nelli, e uma infinidade de instrumentistas que daria para preencher muitas páginas de jornal. Para que o leitor tenha uma idéia, há um bairro na cidade (Maestro Júlio Ferrari) onde as ruas homenageiam os músicos que nasceram ou são filhos adotivos de Lençóis. Seria uma grande idiotice tentar registrar aqui os nomes dos talentosos artistas. Fatalmente cometeríamos injustiças, mas podemos lembrar de alguns que estão ainda em plena atividade. Sem medo de errar, podemos grifar os nomes de Balim Paccola, Benito Paschoalini (foto), Sergio Vidal, Zé Stanizi, Chiquinho Fernandes, Emílio Campanholi, Zé Emilio, Vicente Boso, Uris Paccola, Marcelo Maganha, Izabel Cristina Campanari, Aldo Moreira, e mais um monte de gente que que esbanja talento. Como dissemos anteriormente, não há como registrar todos aqui, mas podem ter certeza, que essa gente é boa de música. O destaque ao lado, é um talento não só na música, mas na vida. Não há uma só pessoa em Lençóis que não faça elogios a esse lençoense. Dono de uma simplicidade ímpar, ele vai a cada dia, engrossando o seu já vasto círculos de amigos. Benito Paschoalini é um craque no violão e um exemplo de pessoa. Quem o conhece de perto, certamente conhece também a história de um de seus violões. Benito conta que ganhou  o ainda conservado instrumento, em meados da década de 1940. Seu pai — André Paschoalini — comprou o raro instrumento musical na Rua Aurora, em São Paulo, e como extremado filho, Benito conserva com muito zelo o presente de seu pai até hoje. Outra raridade é a guitarra que ele exibe na foto ao lado. Essa bela peça foi confeccionada por ele próprio. Benito é uma página viva da história de Lençóis. Nas imagens à baixo, estão Tico Tavassuti, Jeraldo (com jota) José Augusto Giovanetti (Franguinho), Uris Pacola com a sanfona, Cabreira com o cavaquinho, atrás, aparecendo só a cabeça está o Lala Cavassutti, e ao seu lado José Rossi, o Zeca Rossi. Na outra foto estão: o ex-prefeito José Antônio Marise, Franguinho, Uris, Lala, Reginaldo Rossi, Zanca, e Zeca Rossi.