Moedas de ouro

moedas-de-ouroConta-se que um dia, chegou ao “Sobradão” chiquérrima residência da família Lima, um viajante de origem  francesa. Ele trazia na bagagem, segundo a história, um grande baú cheio de moedas de ouro, provavelmente roubadas na capital do Estado. Perseguido pela polícia, o hospede “milionário” teria se “evadido” de madrugada, deixando para trás aquela incalculável fortuna. A noticia se espalhou e em verdadeiras romarias as pessoas, munidas de ferramentas para escavação se dirigiam para o “Sobradão com o intuito de encontrar o ouro ‘deixado” pelo francês. Moradores antigos de Lençóis contam que, mesmo depois de o Sobradão estar em ruínas, muita “gente boa” foi vista, em noites enluaradas, escavando em busca da tal fortuna. Mais tarde, apareceu em Lençóis, uma senhora de origem japonesa que se dizia espírita. A mulher que era, segundo dizem, muito pobre, passou muitas noites em vigília sob luz de lamparina, no entorno das escavações. Depois, sem deixar notícias, ela se mudou para uma cidade da Alta Noroeste e lá se estabeleceu no ramo de comércio e transportes rodoviários. Há quem afirme até hoje, que foi ela quem encontrou o baú de ouro enterrado pelo francês no Sobradão.