Pinga dão

Poucos são os lençoenses que não conheceram o “Bar do Chopp” ainda hoje (ocupando espaço muito menor) localizado no centro da rua 15 de Novembro. Assim como o Bar Guarany, (extinto) que era instalado no piso inferior do Cine Guarany, na esquina da rua dr. Antonio Tedesco com a 15 de Novembro, o Bar do Chopp tornou-se ponto de referência para os lençoenses. Tornou-se parada obrigatória tanto para quem morava na cidade como para quem residia na zona rural. Sem sombra de dúvidas, o Bar do Chopp se tornou o estabelecimento comercial mais conhecido dos lençoenses. Ali frequentavam gente de todas as classes sociais, diferentes credos e etnias. Desde o pinguço inveterado até o intelectual como o comerciante e escritor Horácio Moretto  eram bem recebidos pelo bar mais simpático da cidade. Lençóis Paulista, sempre foi conhecida como a “terra da pinga”, isso por causa das mais de setenta fábricas de aguardente instaladas no município até a década de sessenta. Numa manhã, daquelas que o seu Horácio costumeiramente  ir tomar seu café no Bar do Chopp, entrou um vendedor-viajante e pediu para o garçom um PINGADINHO (café com leite). O garoto, mais do que depressa serviu-lhe uma dose de cachaça. O freguês,  meio sem graça e sem saber o que fazer, quis falar alguma coisa quando foi interrompido pelo seu Horácio:   –  “caro amigo… O senhor não entendeu o espírito da coisa… Aqui é a terra da pinga e quando o cliente pede um PINGADINHO, eles… os garçons, PINGA DÃO”. Essa, é uma das muitas frases criadas por Horácio Moretto.