RJ bate recorde de 2 mil cirurgias bariátricas em hospital estadual

O médico Cid Pitombo – o mesmo que operou os atores André Marques e Leandro Hassum – acaba de superar sua própria marca no SUS. Ao todo, pacientes perderam mais de 90 toneladas

Foto: Dr Cid Pitombo opera a paciente de número 2 mil no
Hospital Estadual Carlos Chagas

Carla Cristina Jardim da Silva, moradora de Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, perdeu 23 quilos em pouco mais de um mês. Não é milagre, é tratamento. A youtuber de 28 anos é a paciente de número 2 mil a ser operada pelo médico Cid Pitombo, criador e coordenador do Programa de Cirurgia Bariátrica do Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

“É um trabalho de resgate desses pacientes, realizado com muita dedicação e seriedade por toda a equipe. Devolvemos à sociedade o paciente antes obeso que não trabalhava, que tinha vergonha de comprar roupas e que não tinha mais vida afetiva. Hoje estão empoderados, realizados e com qualidade de vida”, revela Cid Pitombo, médico que é referência nacional e internacional no combate à obesidade.

Carla foi encaminhada para a equipe multidisciplinar do Programa com 147 quilos, dores e dificuldade de andar. Além de cuidar da saúde, Carla tem um motivo especial para emagrecer: o filho Matheus, de 5 anos.

“Eu sempre gostei de mim. Não me importava com os quilinhos a mais. Vi, no entanto, que precisava cuidar da minha saúde quando estava brincando com meu filho e não aguentava ficar em pé com tantas dores e falta de ar. Agora vou ter mais energia para estar com ele. Meu sonho é ensiná-lo a andar de bicicleta”, revela.

Pacientes do dr. Cid Pitombo no SUS perderam juntos mais de 90 toneladas

Desde 2010, quando a equipe do dr. Cid Pitombo criou o Programa de Cirurgia Bariátrica no Hospital Estadual Carlos Chagas foram operados pacientes moradores de todas as regiões do estado do Rio de Janeiro. A média de atendimentos ambulatoriais está sendo mantida em 2.000/mês e a taxa de sucesso é de 99%.

A equipe do Programa é multidisciplinar, composta por médicos, enfermeiros, psicólogos e nutricionistas. A cirurgia não é o objetivo principal e sim a qualidade de vida e a mudança de hábitos. Mais de quatro mil pacientes estão sendo acompanhados pela equipe do Programa.

Estudo inédito feito pela equipe do dr. Pitombo apontou que a vida sexual e financeira dos ex-gordinhos só melhorou após a cirurgia. Cerca de 40% dos pacientes afirmaram que a vida sexual passou de ruim para muito boa. Outros 14% disseram que a vida entre quatro paredes passou de boa para muito boa. Os novos magrinhos também relataram aumento de mais de 30% na renda familiar.

Atendimento a jovens – Pioneiro neste tipo de tratamento, o Programa já tratava jovens pacientes dois anos antes da divulgação de portaria do Ministério da Saúde, permitindo a realização da redução de estômago pelo Sistema Único de Saúde (SUS), para pacientes a partir dos 16 anos. O objetivo principal é focar no atendimento especializado e preventivo, ou seja, a redução do peso com dietas. O motivo da opção prioritária pela não intervenção cirúrgica de imediato está relacionado aos eventuais danos psicológicos em pessoas tão jovens.