Acidentes graves com álcool cresceram 40% na pandemia

Dermatologista do Sistema Hapvida orienta como agir em caso de queimadura

Instituído como Junho Laranja, este mês das festas juninas, que conta com queima de fogueiras e fogos, é dedicado a ações de prevenção de queimaduras. De acordo com a Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), esse tipo de acidente é responsável por cerca de 150 mil internações por ano no País. Com a pandemia do novo coronavírus, a população se deparou com mais fatores que podem provocar acidentes domésticos que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cresceram 30. Já as internações por queimaduras por álcool, que passou a ser usado com mais frequência, chegaram a crescer 40%, segundo a SBQ.

Diante dessa nova realidade, a dermatologista do Sistema Hapvida, Marcela Vidal, informa que a causa mais comum desses acidentes é por líquidos quentes, produtos que são aquecidos em fogão e recomenda cuidados redobrados. “É preciso intensificar os cuidados devido ao acesso ao álcool, principalmente o álcool líquido, que é mais inflamável e se espalha facilmente pela pele. Deve-se ter o cuidado de não se aproximar de chamas logo após a aplicação de álcool em gel ou líquido. E cuidado com a circulação de crianças nas cozinhas, que é onde os acidentes mais acontecem”, orienta.

Mas se o acidente ocorrer, ela orienta como proceder em casos de queimaduras de primeiro (o local fica vermelho) e de segundo grau (forma bolhas e a ferida é mais úmida): lavar o local com água para que haja resfriamento da pele. “Não é recomendado colocar gelo diretamente, pois ele pode queimar se permanecer por muito tempo em contato. O ideal é água gelada. Se a ferida tiver resíduos pode usar um sabonete neutro para higienizar. Não deve romper as bolhas em casa. O ideal é procurar um médico”, aconselha a dermatologista, acrescentando que pomadas de antibiótico podem ser aplicadas para diminuir a chance de infecção. Mas devem ser prescritas pelo médico.

Já nas queimaduras de terceiro grau, o tratamento é hospitalar e em alguns casos são necessários reconstrução cirúrgica da área afetada, já que podem atingir camadas mais profundas como músculos e ossos. Prevenção de queimaduras em tempos de Covid-19 foi tema da nota de alerta lançada pelo Departamento Científico de Segurança da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Na publicação, os pediatras chamam atenção para o aumento da incidência de queimaduras durante este período de isolamento social, em especial aquelas relacionadas ao uso de álcool. Confira as dicas para evitar acidentes:

 

Prevenção de queimaduras térmicas

• Permanecer em casa e treinar com as crianças a lavagem correta de mãos com água e sabão, reservando o uso do álcool em gel para quando estiver na rua;

• Evitar usar álcool para limpeza doméstica habitual. Hipoclorito de sódio é um desinfetante de superfície eficaz contra o coronavírus;

• Não segurar e nem manusear líquidos quentes com uma criança no colo;

• Não deixar copos com líquidos quentes próximos de bebês;

• Materiais quentes devem ser colocados no centro da mesa, distante da criança, observando o tamanho da toalha, para evitar que possa ser puxada pela criança;

• Mantenha crianças longe de aquecedores, lareira, fogueira e fogos de artifício;

• Manter o ferro de passar roupa fora do alcance e nunca deixar o ferro esfriar no chão.

 

Sobre o Sistema Hapvida

Com mais de 7,1 milhões de clientes, o Sistema Hapvida hoje se posiciona como um dos maiores sistemas de saúde suplementar do Brasil presente em todas as regiões do país, gerando emprego e renda para a sociedade. Fazem parte do Sistema as operadoras do Grupo São Francisco, RN Saúde, Medical, Grupo São José Saúde, Grupo Promed além da operadora Hapvida e da healthtech Maida. Atua com mais de 37 mil colaboradores diretos envolvidos na operação, mais de 15 mil médicos e mais de 15 mil dentistas. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente são 47 hospitais, 201 clínicas médicas, 45 prontos atendimentos, 173 centros de diagnóstico por imagem e coleta laboratorial.

.... . .