Morre, aos 66 anos, o jornalista Raymundo Costa

  • O presidente Michel Temer e o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, divulgaram nota de pesar pela morte

Morreu na noite dessa terça-feira (23), em Brasília, o jornalista Raymundo Costa, que trabalhava atualmente no Valor Econômico. Raymundo tinha 66 anos e estava hospitalizado desde o último dia 7. Ele tinha câncer no pulmão e morreu em decorrência de uma septicemia (infecção generalizada). Repórter especial, ele assinava uma coluna no Valor. O presidente Michel Temer e o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, divulgaram nota de pesar pela morte.

Paraense, ele morava em Brasília há mais de 30 anos e cobria política e economia. Na capital federal, passou por veículos como Veja, Folha de S.Paulo, O Globo e IstoÉ. Depois de trabalhar na imprensa paraense,foi correspondente do jornal O Estado de S.Paulo, pelo qual cobria assuntos relacionados à Amazônia, em São Luís.

Temer lamentou a morte de Raymundo Costa pelo Twitter. “Perdemos nesta noite um dos jornalistas mais respeitados do país, Raymundo Costa. Competente, educado e observador atento dos fatos, teve trajetória brilhante em alguns dos melhores veículos de comunicação do País. Minha solidariedade aos amigos e à família”, afirmou o presidente.

Rollemberg também manifestou pesar. “O Brasil perdeu um de jornalistas maiores, o querido Raymundo Costa, o Raimundinho. Ao longo dos últimos anos convivi com ele, seu vasto conhecimento da política brasileira, seu discernimento preciso e pontual e a enorme figura humana abrigada naquele seu jeito simples de ser. A humildade, a capacidade de ouvir e de aceitar os argumentos alheios – sem se considerar o ‘dono da verdade’ – fizeram dele um exemplo, de fato, para o jornalismo brasiliense e brasileiro. Meus pêsames e orações aos familiares e amigos neste momento de dor”, escreveu o governador.

Em nota publicada no site do Valor Econômico, a diretora de redação do jornal, Vera Brandimarte, afirmou que o veículo perdeu um de seus profissionais mais competentes. Segundo Vera, o jornal “perde um companheiro de todas as horas, que inspirava tanta estima que mesmo com o passar dos anos sempre foi chamado carinhosamente no diminutivo. Raymundinho compartilhava seus conhecimentos sem reservas e formava as novas gerações com muita generosidade. Estamos no mais pesaroso luto”.

Em sua última coluna, publicada em 2 de outubro, o jornalista analisou os prós e os contras das candidaturas de Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL).

Congresso em Foco

Leia Mais

Leia outras notícias

ESPORTES POLÍCIA CULTURA
POLÍTICA NACIONAL INTERNACIONAL

 



.... . .