Saúde confirma primeira morte por H1N1; Postos vão abrir até mais tarde para atender população

A Secretaria de Saúde confirmou na manhã desta quinta-feira, 28, a primeira morte causada pela Gripe H1N1 em Lençóis Paulista. A paciente, uma mulher de 43 anos, moradora do Centro, deu entrada na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) no dia 19 e junho com sintomas da síndrome respiratóriaaguda grave, foi realizado um exame de raio-x e internada. No dia 20, foi iniciado o tratamento com o Tamiflu e transferida para o Hospital Estadual de Bauru. Mesmo diante dos cuidados, a paciente não resistiu e faleceu na madrugada desta quinta-feira. Para tentar intensificar a cobertura vacinal, a secretaria de Saúde informa que hoje e amanhã, vai estender o horário de funcionamento de todas as unidades de saúde de Município até as 20h. No sábado, todas as unidades também vão dar plantão de vacinação e vão atender das 8h às 13h.

“Infelizmente precisamos confirmar o primeiro caso positivo da gripe H1N1 em Lençóis Paulista e também o primeiro óbito por complicações em decorrência da doença. Nós tivemos outros casos suspeitos, mas tivemos dois casos negativos e aguardamos o resultado de outros cinco exames. Com esse caso positivo, temos a confirmação de que esse vírus está circulando em nossa cidade e temos que tomar tomas as providências para evitar a proliferação da doença”, declarou o secretário de Saúde, Ricardo Conti.

O secretário de Saúde ressaltou que a vacina está disponível em todos as unidades de saúde do município e alertou que índice vacinal ainda é baixo nos públicos prioritários, especialmente as crianças. “A medida mais efetiva de proteção contra a Gripe H1N1 e seus subtipos é a vacinação. Neste ano, a campanha começou no dia 23 de abril e até agora, apesar de ampla divulgação da campanha nos jornais, rádios e redes sociais, apenas 63,7% do publico prioritário atendeu nosso pedido e tomou a vacina. E a situação mais grave até o momento está entre as crianças, em que apenas 39% tomaram a vacina. Por isso, estendemos o horário de atendimento das unidades de saúde para atender esse público”, completou Conti.

A influenza (gripe) é uma infecção viral aguda. Ela afeta o sistema respiratório e é facilmente transmitida por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada, ao falar, tossir, espirrar, ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém-contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz. A gripe começa com febre alta, seguida de dor muscular, dor de garganta, coriza, tosse seca, calafrio e prostração. Outros sintomas em casos mais graves são: desconforto respiratório, desidratação e pneumonia.

Segundo recomendação da Organização Mundial de Saúde, para a temporada de 2018 no hemisfério sul cada dose da vacina influenza contém cepas do vírus H1N1 (A/Michigan/45/2015 pdm09), H3N2 (A/Singapore/INFIMH-16-0019/2016 e B (B/Phuket/3073/2013). A vacina é aplicada intramuscular.

São considerados grupos prioritários crianças entre 6 meses e 9 anos, professores, profissionais da saúde, adultos entre 50 e 59 anos, idosos com mais de 60, gestantes, mulheres que tiveram filho recentemente, povos indígenas e pessoas com doenças crônicas.

O diretor de Saúde também destacou que outra forma de evitar a proliferação da doença é tomar medidas simples de higiene pessoal como colocar a mão na boca ao tossir, lavar as mãos frequentemente com água e sabão, fazer uso de álcool em gel ao sair ou chegar nos ambientes, não tocar na região dos olhos, nariz e boca sem que a mão esteja limpa, não compartilhar objetos de uso pessoal (garrafas, copos, talheres), evitar contato com pessoa doente, evitando abraços, beijos e apertos de mão e evitar aglomerações.

Notificações de suspeita de H1N1 no ano de 2018

  • Número de notificações: 08

  • Resultados positivos: 01

  • Resultados negativos: 02

  • Aguardando resultados: 05
.... . .